Prémio de Estudos em Cultura do Mar “Octávio Lixa Filgueiras”: candidaturas abertas

A 4.ª edição do “Prémio Octávio Lixa Filgueiras” já tem processo de candidatura aberto e normas de participação disponíveis, estando agendado para o dia 16 de Novembro o anúncio do autor e título do trabalho premiado, por ocasião das comemorações do Dia Nacional do Mar.

Promover a investigação

Criado em 2012 para evocar e divulgar a obra de um dos mais reconhecidos investigadores portugueses de temas de cultura marítima, o Prof. Arquitecto Octávio Lixa Filgueiras, este prémio destina-se a promover investigação relevante nas áreas da História Marítima, Arquitectura Naval, Antropologia Marítima, Arqueologia Subaquática, Patrimónios Marítimos e Museologia.

O Prémio tem um valor monetário de 2.500 euros e destina-se a galardoar autores de dissertações académicas ou de trabalhos de investigação inéditos e realizados no âmbito da cultura marítimo-fluvial.

Candidaturas

As candidaturas devem ser formalizadas até ao dia 31 de Maio, através de formulário disponível aqui, entregues pessoalmente ou envidas por correio para o Museu Marítimo de Ílhavo ou, também, por email para ciemar.mmi@cm-ilhavo.pt.

A entrega dos trabalhos tem como data limite o dia 30 de Agosto de 2019.

CIEMar Ílhavo

Ao instituir este Prémio, o Museu Marítimo de Ílhavo, através da sua unidade de investigação, o CIEMar Ílhavo, pretende consolidar-se como instituição museológica assente em dinâmicas de investigação aplicadas a um projecto cultural capaz de interessar diversas comunidades de público.

Com o Prémio Octávio Lixa Filgueiras, a Câmara Municipal de Ílhavo pretende, também, divulgar e valorizar o arquivo pessoal do distinto investigador que o Museu acolheu em 2007 sob a forma de depósito e, de 2012 em diante, em regime de doação a título definitivo.

Arte xávega

Na 1.ª edição, em 2012, o prémio foi atribuído ao trabalho “Hoje por ti, amanhã por mim. A arte xávega no litoral central português”, da autoria de Francisco Oneto Nunes.

Na edição de 2014 o júri premiou o trabalho da autoria de Amaya Sumpsi, com o título “Apanhados na rede: Considerações acerca das noções de progresso e modernidade na comunidade piscatória de Porto Formoso”.

Fonte: Agricultura e Mar ACTUAL